O governador Sergio Cabral enviou ontem (05/02) à Alerj o projeto de lei que aumenta o piso regional do estado em 9% – com isso, o piso do advogado pode passar dos atuais R$ 1.861,00 para R$ 2.029,00.  O valor atual do salário mínimo mensal que consta na convenção coletiva de trabalho assinado entre o Sindicatos dos Advogados e o Sindicato das Sociedades de Advogados (Sinsa), representante dos escritórios e cooperativas, é de R$ 2 mil. Este acordo está sendo renovado. 
No entanto, caso a Alerj vote um piso maior do que os R$ 2 mil antes da renovação do acordo coletivo, passa a valer o valor do piso – até que o acordo coletivo entre os sindicatos seja renovado em um valor maior. O presidente do Sindicato, Álvaro Quintão, informa que a proposta dos advogados já está com o Sinsa e o acordo deverá ser renovado em breve.
Segue a notícia do jornal Extra sobre o PL de Cabral:
Do site do jornal Extra (Djalma Oliveira): O governador Sérgio Cabral enviou, nesta terça-feira, à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), um projeto de lei que corrige em 9% o piso salarial regional, pago a cerca de dois milhões de trabalhadores no estado. O percentual é o mesmo aplicado ao salário mínimo nacional na virada do ano. Ainda não há previsão de votação da matéria na Alerj, mas o reajuste será retroativo a 1º de janeiro.
Se o aumento previsto pelo projeto for aprovado, os valores do piso passariam a ser: R$ 756,20 (faixa 1, de trabalhadores agropecuários e florestais); R$ 795,24 (faixa 2, de empregadas domésticas, serventes, contínuos e auxiliares de serviços gerais, entre outros) e R$ 824,54 (faixa 3, de carteiros, cozinheiros, operadores de caixa, manicures e motoboys, entre outros profissionais).
Na faixa 4, que abrange categorias como trabalhadores da construção civil, pintores, pedreiros e garçons, o piso passaria para R$ 853,50. Administradores, porteiros, barmen e condutores de veículos de transportes, que estão na faixa 5, teriam um piso de R$ 883,05.
Para a faixa 6 (operadores de call center e eletricistas, entre outros), o piso seria de R$ 909,91. O novo valor da faixa 7, que contempla profissionais como técnicos em enfermagem e em radiologia, seria de R$ 1.070,02.
Na faixa 8, professores do 1 ao 5 anos do ensino fundamental, com jornada de 40 horas semanais, passariam a ganhar R$ 1.478,13. A faixa 9 (administradores, arquitetos, advogados e outros) chegaria a R$ 2.028,96.