Do site da OAB/RJ: O presidente da OAB/RJ, Wadih Damous protocolou nesta quarta-feira, dia 18, na Procuradoria Regional da República (PGR) no Rio de Janeiro, pedido para que o Ministério Público Federal identifique o servidor da Justiça do Trabalho na 1ª Região que movimentou ao longo do ano de 2002 em sua conta corrente a bagatela de R$ 282,9 milhões. Além disso, a OAB/RJ quer que o MPF informe se houve investigação sobre tais movimentações financeiras e o respectivo resultado, uma vez que a Coaf informou que o servidor do TRT chegou a ser preso numa operação da Polícia Federal que investigava doleiros.
Wadih ressaltou que se for correrta a afirmação do presidente do Coaf, Antonio Gustavo Rodrigues, de que o doleiro envolvido no mais recente escândalo do TRT-RJ foi preso por conta de remessas ilegais de dinheiro não há mais justificativa para que a sua identidade continue sendo mantida em sigilo pelas autoridades. “Se o doleiro chegou a ser preso, como citou o Coaf, é porque ele foi réu- em um processo penal. E o processo penal, como regra, é público”, afirmou o presidente da OAB/RJ.
A partir da identificação do funcionário do TRT-RJ e da eventual investigação da origem dos recursos movimentados em sua conta corrente em 2002, disse Wadih, esse caso envolvendo a Justiça do Trabalho do Rio de Janeiro será finalmente esclarecida. “O que não pode ocorrer é que pairem dúvidas sobre a participação de magistrados nesse levantamento feito pelo Coaf e que também não haja dinheiro desviado dos cofres públicos”, concluiu.