Do R7 (18/03): O aumento da sensação de insegurança na região dos Lagos está preocupando moradores e autoridades. Nesta segunda-feira (19), representantes das comissões de Defesa dos Direitos Humanos e Cidadania e de Segurança Pública e Assuntos de Polícia da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio) participam de uma audiência pública para discutir o assunto com representantes da sociedade civil, além do comandante-geral da Polícia Militar, coronel Erir Ribeiro Costa Filho, e o subchefe Administrativo da Polícia Civil do Estado, delegado Sérgio Simões Caldas.
Os comerciantes da região reclamam da criminalidade e se mobilizaram para pedir ao governador Sérgio Cabral e ao secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, um reforço no policiamento. Eles têm se reunido com autoridades locais e com o comando da PM (25º BPM) na região, coronel Gilmar Barros dos Reis, para encontrar soluções para reduzir a violência.
A preocupação dos comerciantes aumentou depois do assalto a uma joalheria no último dia 1º de março. Foi a oitava vez que o estabelecimento foi alvo de criminosos, duas delas em menos de dois meses. Os comerciantes também lembram de outros crimes, como apreensões de drogas e o latrocínio em um condomínio no bairro do Peró.
Coronel Barros afirmou que a preocupação dos comerciantes aumentou em consequência da natureza dos crimes.
– Não houve aumento no número de roubos de rua, pelo contrário. Em janeiro foram 42 casos e em fevereiro 19.
Mas a ousadia dos criminosos, como o roubo à joalheira, deixou os comerciantes inseguros. Naquele caso houve demora para acionar a polícia. Depois disso, conseguimos estreitar o relacionamento e desde então não houve registro de roubos a estabelecimentos comercias no centro de Cabo Frio.
De acordo com o comandante, esta situação se deve às medidas que foram tomadas depois das reuniões: o posto de policiamento do bairro ganhou um telefone direto para contato com os comerciantes locais, o patrulhamento da madrugada foi reformulado e o efetivo reforçado. Além disso, foi firmado um acordo com a Guarda Municipal, que está dando apoio na fiscalização da região.
Os 220 pequenos e médios empresários de Unamar, distrito de Cabo Frio, também se mobilizaram para melhorar as condições de segurança. Eles compraram um rádio comunicador e um celular para o posto de policiamento da região. Com isso, facilitam o contato com o posto sem precisar passar pela central, no 190.
Para o representante da Acia (Associação Comercial e Industrial e Turística de Cabo Frio), Warner Pires, todas estas mudanças foram bem-vindas, mas ele agora tem outra preocupação: se com o reforço no centro, outros pontos da cidade não vão ficar prejudicados. Por isso insiste no aumento do efetivo.
Nota do Sindicato: a audiência pública também vai discutir o assassinato da advogada Isabel Cristina Machado, presidente da Comissão de Igualdade Racial da OAB/Cabo Frio, morta a tiros, no dia 17 de fevereiro, em sua casa naquele município – leia mais aqui.