O Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) anunciou ontem (17) que a pessoa ligada ao TRT do Rio, suspeita de movimentar R$ 258,9 milhões em 2002, teria relações com doleiros e até foi presa. O órgão não divulgou o nome desta pessoa.
O presidente da OAB/RJ, Wadih Damous, esteve ontem em Brasília e se reuniu com a ministra corregedora do CNJ, Eliana Calmon. Ele disse à corregedora que pedirá a PGR a investigação do caso TRT/RJ, em que uma pessoas ligada ao tribunal, segundo o COAF, movimentou, em 2002, R$ 258,9 milhões.
O STF ainda vai julgar a liminar da AMB que impede o CNJ de continuar as investigações a integrantes do Judiciário, tendo como base o relatório do COAF.
Segue a matéria de O Globo:
Do site de O Globo (SILVIA AMORIM/CAROLINA BRÍGIDO): O presidente do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), Antonio Gustavo Rodrigues, disse nesta terça-feira que o servidor do Judiciário do Rio que aparece no relatório do órgão com movimentações financeiras atípicas de R$ 282,9 milhões é um ex-doleiro que já está sendo alvo de investigação da polícia.
– No fundo, boa parte da movimentação dessa pessoa é porque, antes de estar no Judiciário, ela tinha uma participação numa casa de câmbio, uma sociedade, e nos nossos bancos de dados ela apareceu com essas movimentações. Até pensei em ligar para o presidente da OAB do Rio para tranquilizá-lo de que, na verdade, as coisas não são tão assustadoras quanto parecem – afirmou o presidente do Coaf, ao deixar a sede do Tribunal de Justiça de São Paulo.
Rodrigues afirmou que o funcionário do Tribunal Regional do Trabalho do Rio já havia sido preso, mas não revelou sua identidade e nem a função que exerce no tribunal:
– O sujeito estava envolvido numa operação que até saiu nos jornais e chegou a ser preso.